Qual é a diferença entre o bem-estar animal e os direitos dos animais?

Desde os dias pré-históricos, os animais têm sido vistos como parte integrante do estilo de vida dos seres humanos. Eles não foram apenas uma fonte de subsistência, mas também um bom companheiro. No entanto, há mais de cinco décadas, o debate sobre o uso de animais na sociedade humana tem sido contencioso, com o foco principal os benefícios derivados deles. Alimentando ainda mais o debate está o surgimento do grupo vociferante aderente à filosofia dos direitos dos animais, que considera animais e humanos como essencialmente iguais, condenando o uso de animais para benefício humano. As pessoas que utilizam animais são comumente confrontadas por questões relacionadas aos direitos e bem-estar dos animais.

Bem estar animal

O bem-estar animal é essencialmente distinto dos direitos dos animais, uma vez que promove uma utilização responsável dos animais para satisfazer as necessidades humanas básicas. De acordo com a American Veterinary Medical Association, o bem-estar animal é uma responsabilidade humana que abrange o bem-estar de todos os aspectos do animal, como habitação adequada, manejo humano, tratamento e prevenção de doenças, manejo e alimentação. Os defensores do bem-estar animal acreditam que os humanos podem utilizar animais na indústria, entretenimento, esportes e recreação, desde que o animal seja bem cuidado. Eles também procuram melhorar o bem-estar dos animais, bem como apoiar a regulamentação de esportes de animais, como corridas de cavalos e enduro, entre outros esportes. Os proponentes também reconhecem que os animais, assim como os seres humanos, também têm interesses, mas esses interesses podem ser trocados por benefícios humanos, desde que os benefícios justifiquem o sacrifício.

Direito dos animais

Grupos de direitos dos animais acreditam que não há distinção entre humanos e animais e que os dois têm direitos iguais e semelhantes. Os proponentes dos direitos dos animais acreditam que os humanos não têm o direito de usar ou utilizar animais e que os animais têm direitos que não podem ser trocados ou sacrificados em benefício de outros. No entanto, os proponentes dos direitos não mantêm a posição de que os direitos são absolutos; como os humanos, os direitos dos animais são limitados. Os proponentes também sustentam que os animais não devem ser tratados como alimento ou usados ​​para entretenimento e experimentação. Grupos de defesa dos direitos dos animais promovem legislações e regulamentos que proíbem esportes que utilizam animais, caça, pesquisa médica usando animais, criação de animais para alimentação e uso de animais para recreação e entretenimento. Eles também rejeitam o uso de animais, por mais humano que seja. Alguns proponentes também se opuseram às reformas do bem-estar animal, pois consideram que as reformas impedem o progresso em direção aos direitos dos animais, melhorando as condições sob as quais a exploração animal ocorre.

Qual é a saída?

Enquanto os defensores dos direitos dos animais proíbem o uso de animais e lhes dão os mesmos direitos que os humanos, os defensores do bem-estar animal são ligeiramente flexíveis no uso de animais. Quando o interesse de animais e seres humanos está em conflito, grupos de direitos dos animais colocarão o animal em primeiro lugar, enquanto o grupo de bem-estar pesará os benefícios para humanos e animais.