A maioria dos países biodiversos da América Central

A América Central é uma região composta por 7 países diferentes localizados ao sul do México e ao norte da América do Sul. A área tem litoral ao longo do Oceano Pacífico e do Mar do Caribe. Dentro da região são altas montanhas, florestas tropicais e vales férteis. Especialistas identificaram a América Central como um hotspot de biodiversidade porque dentro de suas fronteiras vivem 7% da vida animal e vegetal do mundo. Um maior número de espécies pode ser encontrado nos países do sul do que nos países do norte. Este artigo analisa essas espécies e onde elas habitam.

Espécie fundamental e endêmica da América Central

Costa Rica

A Costa Rica possui a maior quantidade de biodiversidade, com 13.630 espécies de plantas e animais diferentes. As espécies de plantas vasculares são as que mais contribuem para esse número; os pesquisadores identificaram mais de 12.000 tipos diferentes. Este país tem a maior percentagem de terras protegidas no mundo, 25% da sua área foi designada como parques e reservas protegidas. A Costa Rica abriga várias espécies endêmicas, como o gopher Variable Pocket, o mouse Mountain Spiny Pocket, o pássaro Cocos Flycatcher e o pássaro Cocos Finch. Aproximadamente 600 espécies de plantas só podem ser encontradas aqui também. Muitos animais encontrados aqui são críticos para a saúde do ecossistema, incluindo os jaguares e os crocodilos americanos.

Panamá

O segundo país da América Central mais rico em biodiversidade é o Panamá, que na verdade tem mais espécies de anfíbios, aves e mamíferos do que a Costa Rica. Algumas delas incluem espécies endêmicas que só existem neste país. O gambá do delgado do Panamá, o porco-espinho de Rothschild, o beija-flor-de-pescoço-escuro, a cobra coral panamenha e a rã-chuva-amarela são todos endêmicos na área. Uma das mais importantes, embora não muito populares, espécies-chave nesta nação são as mais de 15 espécies de morcegos. Estes mamíferos voadores desempenham um papel muito importante no ecossistema, controlando as populações de insetos e compartilhando uma relação única e benéfica com algumas das plantas da área.

Guatemala

Com um total de biodiversidade de 9.927, a Guatemala é o número 3 da lista. Este é um país montanhoso, mas também tem vales, rios, lagos e litorais que contribuem para seus 14 ecossistemas diferentes. Aproximadamente 6, 7% de suas espécies animais são endêmicas e 8, 1% têm estado ameaçado. Algumas dessas espécies endêmicas incluem: Sapo do córrego da Guatemala, Sapo do Las Palmas Spikethumb, Iguana negra guatemalteca, Rato maia, Morcego guatemalteco guatemalteco e 2 espécies de escaravelhos Jewel Scarab. As tartarugas marinhas da costa deste país são consideradas animais fundamentais devido ao seu papel na saúde dos habitats marinhos e costeiros.

Para uma olhada em outros países da América Central e seus números de biodiversidade, uma lista pode ser encontrada abaixo.

Ameaças à biodiversidade da América Central

Uma das maiores ameaças à biodiversidade nesses países é o desmatamento, que limpa os principais habitats de muitas espécies de plantas e animais. Além disso, o desmatamento fragmenta os habitats florestais existentes, dificultando a caça de grandes espécies em grandes territórios. Isso pode resultar na caça de espécies predadoras que caçam as espécies menores, comedoras de plantas, o que, por sua vez, leva ao crescimento excessivo de espécies de plantas. Estima-se que 80% de toda a vegetação na América Central seja considerada agricultura. A caça ilegal e o comércio também são ameaças à flora e fauna desta região. As abordagens adotadas pelos seres humanos são insustentáveis ​​e não permitem a regeneração ou repovoamento de suas plantas e animais alvo. Muitas espécies selvagens, como papagaios e macacos, são capturadas e comercializadas para serem vendidas como animais de estimação. Crocodilos e cobras são capturados e mortos por suas peles. Muitas outras plantas e animais são usados ​​na medicina tradicional.

Governos e organizações sem fins lucrativos precisam trabalhar juntos para evitar a perda da biodiversidade. Esses esforços devem envolver a proteção de áreas maiores, proteger mais espécies e educar o público sobre a importância da biodiversidade e das espécies-chave. São necessárias políticas que reprimam a venda e o comércio ilegais, bem como os programas de recauchutagem para aumentar o número de espécies ameaçadas. Se algo não for feito em breve, a América Central corre o risco de perder grande parte de sua biodiversidade.

Os países mais biodiversos da América Central

ClassificaçãoPaísEspécies de anfíbiosEspécies de avesEspécies de mamíferosEspécies de répteisEspécie total de vertebrados terrestresEspécies de plantas vascularesBiodiversidade
1Costa Rica18383823225815111211913630
2Panamá1829042412421569991511484
3Guatemala133684193236124686819927
4Nicarágua61632181178105275908642
5Honduras101699201213121456806894
6Belize4654414714087728943771
7El Salvador3043413710670729113618